quarta-feira, 18 de junho de 2014

O Vinho do Porto

O cultivo da vinha é de tempos pré-históricos.
Diz a lenda, que o Vinho do Porto, é produto de um acidente enológico, que modificou o processo de fabrico dos vinhos do Douro.
O tratado de Metheun, em 1703 favoreceu a exportação dos vinhos para a Grã-Bretanha e criou a Real Companhia dos Vinhos do Alto Douro.
Em 1757, o Marquês de Pombal, ordenou que as áreas de produção de vinho de Vale do Douro fossem delimitadas pelos “Marcos de Feitoria”, surgindo assim a primeira “Região Demarcada”.
Em 1926, é criado o entreposto de Vila Nova de Gaia.
Em 1933, é criada a Casa do Douro, o Instituto de Vinho do Porto e o Grémio de Exportadores de Vinho do Porto.
Aquando do boicote pelos ingleses aos vinhos Bordéus, no tempo das guerras entre estes e franceses, uma colónia inglesa residente no Porto começou a importar vinhos da região do Douro para Inglaterra. Contudo, com as diferenças de temperatura e o tempo de viagem, estes azedavam. Para evitar isto, juntava-se-lhe 20 litros de aguardente portuguesa por pipa para eles não alterarem, e para adocicar o sabor, acrescentou-se na altura da fermentação, açucar. O vinho, ganhou o nome do local de embarque e comercialização e não, o nome da região onde é produzido.
Actualmente,a região viticola está dividida em 3 sub-regiões :
o Baixo Corgo, o Cimo Corgo, Douro superior